terça-feira, 12 de abril de 2016

INSTITUIÇÕES NATURAIS CRIADAS POR DEUS

Pr. Gomes Silva

Casamento, governo e igreja. Essas são as três instituições naturais, criadas por Deus e com as quais convivemos diariamente. Pelo menos uma boa parcela dos mais de seis bilhões de pessoas no Mundo.

Através dessas instituições, o homem pode ajustar a sua vida e viver bem diante de Deus e da sociedade.

O casamento, constituído por Deus (Gênesis 2:21-25 e Mateus 19:5-6) reúne duas personalidades distintas, com pensamentos e atitudes bem diferentes. Mesmo assim, o Senhor, quando convidado para integrar e direcionar essa união a dois, transforma sentimentos e atitudes negativas em positivas e ainda aumenta o amor de um pelo outro, de forma que se completam no dia a dia.

O que muitos ainda não sabem e quando sabem discriminaram a Bíblia é que o casamento é monogâmico, heterossexual e que deve ser permanente até que a morte separe os dois.

O Governo é abrangente. [O Governo é "a organização que é a autoridade governante de uma unidade política"; "o poder de regrar uma sociedade política"; ou o aparato pelo qual o corpo governante funciona e exerce autoridade. O governo é, usualmente, utilizado para designar a instância máxima de administração executiva, geralmente reconhecida como a liderança de um Estado ou uma nação. Os Estados podem ter vários níveis de Governo, conforme a organização política daquele país, como por exemplo, os Governos locais, os regionais e nacionais. No direito administrativo contemporâneo, Governo é a expressão que define o núcleo diretivo do Estado, alterável por eleições e responsável pela gerência dos interesses estatais e pelo exercício do poder político].

A Bíblia é clara quando diz que toda autoridade foi constituída por Deus e que todo homem esteja sujeito a ela (cf. Romanos 13:1-7). Não inclui competência, moralidade, racionalidade ou qualquer outra condição (1 Tessalonicenses 4:11-12; 1 Timóteo 2:1-2).

No entanto, a Escritura faz uma exceção quanto à obediência às “autoridades superiores”: Quando a obediência à autoridade civil exigir desobediência à Palavra de Deus (Êxodo 1:17; Daniel 3:16-18).

Igreja – É também uma instituição criada, direcionada e abençoada por Deus. É supervisionada pelo Espírito Santo, capacitando os vocacionados ao ministério e fortalecendo os membros santificados. A igreja é uma agência missionária, cumprindo o “ide” de Jesus Cristo (Marcos 16:15-16) nas mais diversas camadas sociais existentes na face da terra.

Essa igreja tem como cabeça o Senhor Jesus Cristo em quem ela também está fundamentada.

Cristo a chama de “minha igreja” (Mateus 16:18). Assim, ele está enfatizando que apenas Ele é Arquiteto, Construtor, Proprietário e Senhor, conforme o comentarista bíblico John MaCarthur Jr.

No casamento, no governo ou na igreja você tem mil razões para manter-se firme na presença do Senhor. Deus conhece os problemas de relacionamento na sua vida conjugal. E vai agir a teu favor.

Não se desespere por conta da recessão financeira do nosso País. Deus sabe como operar e fazer com que você venha prosperar em todos os sentidos. Porém, não esqueça que o Senhor criou a igreja templo para que você ir até lá agradecê-lo, adorá-lo e fazer daquele lugar um verdadeiro campo de colheita de almas que estão sedentas à procura de uma alimentação (palavra de Deus) sadia e não contaminada com os pensamentos livres e nefastos dos que se acham no direito de quebrar os princípios criados por Deus.


[...] O que estiver dentro do colchete foi copiado do wikipedia.org



quarta-feira, 25 de setembro de 2013

Bem-aventurados são os que não viram Jesus e creem

João 20:24-30
Pr. Gomes Silva

Em pleno século 21, muita gente fica perguntando: Por que uma pessoa ainda acredita em Jesus Cristo se nunca teve a oportunidade de vê-lo? Há mais de dois mil anos, um companheiro de Jesus, escolhido para ser apóstolo, também duvidou de sua personalidade divina.

Ao saber que Cristo havia ressuscitado Tomé não acreditou. E disse: “Se eu não vir o sinal dos cravos em suas mãos, e não puser a minha mão no seu lado, de maneira nenhuma o crerei”. Oito dias depois, estavam os discípulos reunidos, com as portas da casa fechadas, Cristo apareceu e mandou o duvidoso por os dedos nas marcas dos pregos em suas mãos e tocasse no seu lado para desfazer a confusão de sua mente.

Pasmo com aquela cena, Tomé exclama: “Senhor Deus e Deus meu!”. A expressão dele foi de arrependimento por não acreditar no que o Senhor já havia falado: que era necessário o Filho do homem subir para que o Espírito Santo, O Consolador, viesse convencer o pecador do pecado e habitar nos servos do Altíssimo.

Cristo em sua infinita sabedoria, disse a Tomé: “Bem-aventurados os que não viram e creram”.

A esse Jesus Cristo (“esse” – pelo fato de existirem, hoje, muitos Jesus espalhados na terra), não tivemos a felicidade de vê-lo assim como aconteceu com Tomé. Contudo, o contemplamos com os olhos espirituais e cremos no seu poder, porque é evidente o seu operar na vida dos que crêem, ratificando o que diz a Palavra inspirada.

Cremos em Jesus, O Cristo, porque Ele submeteu-se a morte de cruz para salvador o pecador arrependido (independente da época que isto vier acontecer), de forma que o homem, que já nasce infectado pelo vírus do pecado, tenha a oportunidade de alcançar a vida eterna através Dele (João 14:6). Cremos em Cristo pelo milagre da mudança na vida de pessoas irrecuperáveis, segundo o ponto de vista da sociedade: Ladrões, assassinos, estupradores, mentirosos, maliciosos, facciosos, arruaceiros, baderneiros, feiticeiros, beberrões, avarentos, caluniadores etc. Nenhum deles seria transformado por  uma pessoa com seus mesmos defeitos. Só Jesus Cristo tem o poder para mudar um ser um humano em sua estrutura física, espiritual, emocional, financeira e sentimental.

Não vimos Jesus, mas acreditamos e confiamos piamente na sua personalidade divina.


sexta-feira, 5 de outubro de 2012

Nossas Decisões e Suas Consequências

Por Ken Korkow


Na vida, quando as coisas ficam fora de controle, a quem atribuir culpa? A experiência me ensinou que sou eu quem cria grande parte do meu próprio caos. E creio que isso pode se aplicar a você também! É universal: somos individualmente responsáveis pela turbulência em nossas vidas, ao menos por grande parte dela.

Vivemos em um mundo em que as pessoas querem lançar culpa das circunstâncias sobre alguém ou alguma coisa: pais, empregados, ambiente, sociedade, situações. Na realidade, porém, quando as coisas dão errado e queremos saber o motivo, tudo o que precisamos fazer é olhar no espelho.

Por exemplo, se você comprar um carro e depois não gostar dele, a pessoa que decidiu comprá-lo e tomou essa decisão, criando uma “agenda de manutenção” que se tornou problemática, foi você.

Alguns veem a insatisfação no casamento aumentar, mas foram eles que decidiram dizer “sim” para legalizar a união com seu cônjuge, e criaram outro tipo de “agenda de manutenção”, que os deixou desiludidos e desapontados.

Você já se sentiu infeliz com seu trabalho? Conscientize-se que você decidiu trabalhar ali, influenciou ou permitiu condições que contribuíram para seu sentimento de desconforto, infelicidade e insatisfação.

Vez após outra tenho aprendido que grande parte das consequências difíceis e desafiadoras com as quais tive de lidar foi resultante de minhas decisões prévias, erradas ou deficientes. O que posso fazer a respeito? Embora eu não possa mudar o passado, tento agora tomar decisões melhores desde o início.

Como aprendemos a tomar decisões melhores e moldar um futuro mais atraente e satisfatório? Existem muitas maneiras de tentar, mas descobri que a melhor delas é ler diligentemente a Bíblia todos os dias. Durante essas leituras diárias deparei-me com a seguinte passagem que oferece discernimento especial:

Jesus disse a Seus seguidores:“Por que vocês Me chamam ‘Senhor, Senhor’ e não fazem o que Eu digo? Eu lhes mostrarei com quem se compara aquele que vem a Mim, ouve as Minhas palavras e as pratica. É como um homem que, ao construir uma casa, cavou fundo e colocou os alicerces na rocha. Quando veio a inundação, a torrente deu contra aquela casa, mas não a conseguiu abalar, porque estava bem construída. Mas aquele que ouve as Minhas palavras e não as pratica, é como um homem que construiu uma casa sobre o chão, sem alicerces. No momento em que a torrente deu contra aquela casa, ela caiu, e a sua destruição foi completa” (Lucas 6.46-49).

Frequentemente ouço: “Insanidade é fazer a mesma coisa vez após outra, esperando obter resultado diferente.” Se você está satisfeito onde se encontra, permaneça. Mas se está experimentando áreas de insatisfação, e mesmo sofrimento, sugiro que cave profundamente na Palavra de Deus, para poder fazer o que Ele lhe manda fazer. Descobri que, como foi Ele que nos projetou, Ele sabe como funcionamos melhor e nos instrui de acordo com isso.

Deus é o Pai que verdadeiramente sabe o que é melhor.  

sábado, 8 de setembro de 2012

Jesus, pra que Jesus?

Robson Tavares
Teólogo

Hoje se fala muito em sonhos, desejos, realizações e felicidade. Têm-se buscado Jesus nas igrejas para restaurar casamentos, libertar pessoas escravizadas aos vícios da vida e para solucionar os mais diversos problemas e crises possíveis.

A verdade é que, em primeira instância, Jesus não morreu na cruz por essas coisas. Ele não deu a própria vida para trazer felicidade, alegria nem realizações de desejos pessoais humanos. Ele morreu na cruz para libertar o homem do inferno, e isso quase ninguém fala mais hoje.

Estão vendendo o que é invendável, comercializando o incomerciável e distorcendo a verdade absoluta. Jesus resolve problemas, cura, liberta e realiza sonhos? SIM! Mas tudo isso deve ser apenas o reflexo de uma vida que foi salva e não a obra primeira. Muito embora Jesus nos faça felizes, Ele não morreu e ressuscitou para nos fazer felizes, mas para nos fazer santos! A felicidade, e as demais coisas, devem ser apenas uma consequência de uma vida unida à Cristo pelo sacrifício da cruz.

Escrito pelo amigo Robson T. Fernandes

Extraído do facebook

Título acrescentado por mim

Contexto Mercantilista

Roberto Mota
Igreja Batista Reviver

O contexto mercantilista, faz com que o "EVANGELHO", também esteja na prateleira. Alguns o vendem caro demais, outros o barateiam por demais. Mais ele avança, porque ele é supracultural. A verdade do Evangelho, está acima da verdade da cultura. A Igreja, que estava em Filipos, Paulo, disse: "Verdade é que também, alguns pregam a Cristo, por inveja e porfia, mais outros de boa mente; Uns por amor, sabendo que fui posto, para defesa do Evangelho; Mas outros, na verdade, anunciam a Cristo, por contenção, não puramente, julgando acrescentar aflições, as minhas prisões. Mais o que importa? Contanto que Cristo, seja
anunciado de toda maneira, ou com fingimento, ou em verdade; Nisto me regozijo, e me REGOZIJAREI AINDA.[Fp-1:15-18].

A questão, em muitas circunstâncias, não é, se estar vendo ou não o erro, os desvios; É que existe algo mais importante, mais urgente, a ser exercido e
concluído, que no caso, é a salvação de almas, e tornar o evangelho conhecido, em todo planeta. É preciso ir em frente. Deus, porá toda obra a prova, para ver se porventura.... O material desta construção, é ouro, prata, pedras preciosas, madeira, palha ou feno.[1Co-3:12]. Aquela que permanecer, receberá galardão.(v-14).

Extraído da facebook

quinta-feira, 23 de agosto de 2012

O homem justo pode até cair, mas não ficará prostrado

Copiado da Internet
Blog: Jesus Cristo

Ser um cristão justo não significa alguém que não possa vir a pecar, ou também não possa até mesmo vir a cair. Um cristão justo não está totalmente isento de ambas as possibilidades. Contudo se vir a pecar ele tem um Advogado ao lado do Pai, Jesus Cristo, o justo, para interceder ao seu favor.

Se ele vir a cair não ficará prostrado, pois o Senhor o ajudará a levantar. Aqueles cujos passos são agradáveis ao Senhor, a história para esses é bem diferente... “Meus filhinhos, estas coisas vos escrevo, para que não pequeis; e se alguém pecar, temos um Advogado para com o Pai, Jesus Cristo, o justo. E Ele é a propiciação pelos nossos pecados, e não somente pelos nossos, mas também pelos de todo o mundo” - I João 2.1 e 2.

“Os passos de um homem bom são confirmados pelo Senhor, e ele deleita-se no seu caminho. Ainda que caia, não ficará prostrado, pois o Senhor o sustém com a sua mão”. Salmos 37.23 e 24

A Verdadeira Teologia da Prosperidade"

Spurgeon, devocional de 9/01
"A alma generosa prosperará" Provérbios 11:25a

Se desejo crescer na minha alma, não devo guardar minhas provisões, mas antes, devo distribuir aos pobres. Ser mesquinho e tacanho é o caminho do mundo até a prosperidade, porem não é o caminho de Deus, pois Ele diz: "Ao que distribui mais se lhe acrescenta, e ao que retém mais do que é justo, é para a sua perda. (Provérbios 11:24)" A forma de se ganhar da fé é dar. Devo tentar isso uma vez ou outra - e posso esperar que me venha tanta prosperidade como seja boa para mim, como uma recompensa graciosa para um generoso curso de ação.

É claro que não posso ter a certeza de virar rico. Serei prosperado, mas não em demasia. Riqueza demais poderia converter-me tão pesado como as pessoas corpulentas usualmente o são, e poderia provocar em mim a indigestão do mundanismo, e talvez me venha uma degeneração de gordura no coração. Não, se já sou bastante gordo para ser saudável, posso me dar por satisfeito - e se o Senhor me concede uma subsistência, posso ficar completamente satisfeito.

Porem, existe uma gordura mental e espiritual que eu ambiciono muitíssimo - e isso vem como o resultado de pensamento generosos para com Deus, Sua igreja, e meus semelhantes. Não devo poupar, para que meu coração não passe fome. Devo ser liberal e generoso, pois assim serei parecido com meu Senhor. Ele se entregou por mim - deveria eu de recusar-lhe algo?

FONTE: Talonário de Cheques do Banco da Fé
Trad. Projeto Spurgeon